COPEB

Ajudando você a voar com as águias!

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Início Aconselhamento

Aconselhamento

E-mail Imprimir PDF
Avaliação do Usuário: / 41
PiorMelhor 

"- Que conselho devo dar?"

Quantas vezes ficamos em dúvida quanto aos conselhos que devemos dar, não é mesmo?

Se você tem alguma história (curta) e interessante nesta área, compartilhe-a conosco.


PEDIDO DE CONSELHO:
Amo buscar almas, faço visitas, aconselhamento pessoal etc. Algumas pessoas vão à igreja uma ou duas vêzes, depois desaparecem. Eu acho tão estranho... será que estou fazendo alguma coisa errada, ou o povo é assim mesmo?!


CONSELHO DADO:
Creio que estamos vivendo aquele tempo que a Bíblia chama de "dias de apostasia".

Antigamente eu achava que as pessoas iriam abandonar a igreja de vez. Hoje eu penso que é mais triste do que isso. Elas não estão abandonando a igreja, mas estão abandonando o primeiro amor, o compromisso, a lealdade.

Apostataram da fé genuína, apesar de permanecerem filiadas às igrejas.
 
Já sofri muito com isso. Depois de muito sofrimento, acabei desenvolvendo uma proteção ao meu próprio coração e passei a trabalhar com isso da seguinte forma:
 
1. Criei (para mim mesmo) duas categorias de freqüentadores:
    a) os "simpatizantes"
    b) o rebanho verdadeiro
 
        Obs.:
        - Eu chamo de "simpatizantes" as pessoas que congregam ali, mas não são fiéis.
        - Eu chamo de "rebanho verdadeiro" aquelas pessoas que eu posso contar sempre.
 
        Por exemplo, numa igreja de 50 pessoas, talvez tenhamos apenas uns 15 fiéis de verdade.
 
2. Identifiquei os fiéis verdadeiros.
    Aqueles que eu posso contar verdadeiramente, que são fiéis a Deus e à igreja.
 
3. Passei a dedicar-me mais aos fiéis verdadeiros.
    A eles eu dedico mais tempo, oração, visitação, comunhão etc.
    Quando preparo meus sermões, penso neles (em confortá-los, encorajá-los, edificá-los).
    Parei de perder tempo com os infiéis.
 
    Obs.: Antes, eu dedicava muito tempo aos infiéis e praticamente abandonava os fiéis.
             Quando preparava um sermão, também pensava mais nos infiéis.
 
4. Passei a contar somente com os fiéis verdadeiros.
    Se num culto qualquer, os fiéis já chegaram, a igreja local verdadeira já está ali, e eu fico feliz.
 
5. E quanto aos "simpatizantes"?
    Eu os vejo como visitantes: se eles vêm, os recebemos com alegria.
    Se não vêm, paciência (vamos continuar orando por eles e convidando, mas, sem estresse).
 
 
Sabe o que começou a acontecer no meu ministério? As ovelhas verdadeiros começaram a sentir amadas, respeitadas, felizes... e começaram a trazer gente nova para igreja. Gente séria, gente que realmente quer conhecer a Deus. Hoje o número de fiéis já é maior que o número de simpatizantes.

É a velha história: "Ovelha (bem cuidada) gera ovelha".
 
16.07.2008


 

PEDIDO DE CONSELHO:
Eu estava desviado, fora da igreja. Voltei, mas sinto que algumas pessoas não gostam de mim. Sinto-me rejeitado!


CONSELHO DADO:
Deixe disso, meu irmão, deixe de pensar como criança. Você precisa conquistar o seu espaço dentro da comunidade (estas coisas não são automáticas). Se você tivesse ficado sócio de um clube, por exemplo, não teria que ter paciência e ir construindo relacionamentos aos poucos?

Por que não faz o mesmo com sua igreja? Por que está sendo tão severo e exigente com ela?

Mostre seu valor. Envolva-se com os projetos da sua igreja. Pague o preço. Você nem terá tempo para ficar pensando nestas besteiras e, quando menos esperar, já estará tão integrado quanto gostaria de estar.

25.06.2008

Última atualização ( Qua, 16 de Julho de 2008 10:25 )